Cidades InteligentesMobilidade UrbanaMelhorando o transporte urbano e a mobilidade em uma cidade pós-pandêmica

http://payparking.com.br/wp-content/uploads/2020/08/transporte-mobilidade-pos-pandemia.jpg
Taylor Anderton, atuário e cientista de dados da Capgemini , discute por que as cidades inteligentes são essenciais para melhorar o transporte urbano e a mobilidade em um mundo pós-pandemia.

Fonte: Open Access Government

Mais da metade da população mundial vive em cidades, mas muitas cidades ficam aquém do que os cidadãos esperam na era digital, especialmente quando se trata de transporte e sustentabilidade.

Em Londres, a Mayor’s Transport Strategy (março de 2018) afirmou que a dependência da cidade de carros tornou as ruas de Londres algumas das mais congestionadas do mundo, com o tráfego rodoviário responsável por metade dos principais poluentes atmosféricos.

Um terço dos cidadãos pesquisados ​​em um relatório recente, intitulado Street Smart, dizem que podem deixar sua cidade devido aos desafios que enfrentam para morar lá, com 38% citando grande quantidade de tempo gasto em deslocamento e 42% citando altos níveis de poluição. O relatório detalha os resultados da pesquisa de 10.000 cidadãos e 300 funcionários municipais, em 10 países e 58 cidades, e explora como as cidades inteligentes podem ser a chave para melhorar a vida urbana.

As cidades inteligentes oferecem alternativas para a experiência urbana atual, e alguns moradores da cidade até indicam uma disposição para pagar por iniciativas de cidades inteligentes

Uma cidade inteligente é definida pela Comissão Econômica das Nações Unidas para a Europa como:

“… Uma cidade inovadora que usa tecnologias de informação e comunicação (TICs) e outros meios para melhorar a qualidade de vida, a eficiência da operação e serviços urbanos e a competitividade, garantindo que atenda às necessidades das gerações presentes e futuras no que diz respeito à economia, aspectos sociais, culturais e ambientais ”

Dos cidadãos do Reino Unido pesquisados, 51% acreditam que as iniciativas de cidades inteligentes habilitadas por tecnologia ajudarão a melhorar a qualidade dos serviços urbanos, e 57% acreditam que ajudarão a tornar sua cidade mais sustentável. Os jovens, em particular, indicaram que estão dispostos a pagar mais por iniciativas de cidades inteligentes (44% dos millennials e 41% dos Gen Z).

O transporte e a mobilidade são vistos como áreas particularmente atraentes que os cidadãos desejam usar. Os cidadãos têm visto uma melhoria significativa em seu tempo de deslocamento, eficiência e produtividade no trabalho, graças a iniciativas focadas em transporte e mobilidade.

Os engenheiros da cidade de Pittsburgh e da Carnegie Mellon University implantaram um sistema baseado em inteligência artificial que permite que os sinais de trânsito se comuniquem entre si. Cada semáforo toma sua própria decisão ao detectar o fluxo de tráfego que se aproxima e coordena o movimento do tráfego com os sinais próximos. Isso reduziu o tempo médio de viagem em 25%.

Da mesma forma, Copenhague instalou semáforos inteligentes que podem priorizar bicicletas e ônibus em vez de carros. Este sistema pode reduzir potencialmente o tempo de viagem de ônibus em 5-20% e o tempo de viagem de ciclo em 10%.

O COVID-19 mudou o transporte urbano e a mobilidade de cabeça para baixo, mas também cria uma oportunidade para o Reino Unido acelerar as iniciativas de cidades inteligentes

Os consumidores estão demonstrando uma preferência cada vez maior pela mobilidade individual por motivos de saúde e segurança, com quase metade (44%) dizendo que usarão o carro com mais frequência e o transporte público com menos frequência em 2020 e no futuro. Isso está em oposição direta à meta do prefeito de que 80% de todas as viagens em Londres sejam feitas a pé, de bicicleta ou de transporte público até 2041.

Da mesma forma, uma pesquisa feita pela Transport Scotland descobriu que 40% indicaram que evitariam o transporte público e usariam seu carro ou outros veículos com mais frequência do que antes, quando as restrições ao transporte fossem suspensas. As iniciativas de cidades inteligentes podem ser uma forma de incentivar e gerenciar a crise do COVID-19, incentivando modos sustentáveis ​​de transporte e evitando o aumento do congestionamento e da poluição do ar que o uso de carros particulares criaria.

Londres já instalou sensores de vídeo com capacidade de inteligência artificial em 20 locais da cidade para detectar o volume de transporte, especialmente ciclistas e pedestres, a fim de usar uma abordagem baseada em dados para determinar a demanda por novas rotas de ciclismo na cidade.

No entanto, é preciso fazer mais para trazer as iniciativas de cidades inteligentes para o primeiro plano. A aceleração do ímpeto requer estreita colaboração entre as partes interessadas – autoridades municipais, institutos acadêmicos ou fundos de capital de risco – com foco na confiança, inovação e dados como os principais impulsionadores.

Essa colaboração deve se esforçar para criar uma visão atraente de cidade inteligente com base na sustentabilidade e resiliência. Deve transformar as autoridades municipais em empresários, ao mesmo tempo que garante que a proteção e a confiança dos dados sejam incorporadas à forma como os dados dos cidadãos são coletados e usados.

Por fim, uma cultura de inovação e colaboração com os cidadãos e entidades externas também será fundamental para libertar todo o potencial de uma cidade.


Gostou deste artigo? Talvez você aprecie uma leitura sobre Como cinco cidades inteligentes estão lidando com a pandemia do coronavírus.

Se você gostou do nosso conteúdo e quer saber mais sobre Cidades Inteligentes, Mobilidade Urbana, Trânsito, Meio Ambiente e Transporte acompanhe o Ecoparking. Estamos muito satisfeitos em te ver por aqui!

Se cuida!

PAYPARKING MOBILIDADE URBANA LTDA | CNPJ 18.203.788/0001-07 | AV FERNANDO FERRARI 1080, SALA 503 TORRE NORTE, MATA DA PRAIA - VITÓRIA/ES